Coringão Chopp

Presidente promete Corinthians mais forte em 2018: “Quatro a cinco atletas”

egue a euforia corintiana pela conquista do heptacampeonato brasileiro. E se o ano de 2017 foi coroado com mais um título brasileiro e o Paulistão, no começo do ano, o torcedor esfrega as mãos pensando num 2018 melhor – o time disputará a Libertadores. E quem viu o presidente do clube, Roberto Andrade, em entrevista ao repórter Mauro Naves, no “Seleção SporTV”, na tarde desta sexta-feira, pode vibrar.

Feliz com os resultados, o dirigente considera o recente título deste Brasileirão como o mais difícil de toda sua gestão, “pela desconfiança de todos”. Acha que o rótulo dado de quarta força no começo do Paulistão mexeu com os brios dos atletas. Afirmou que a saída do lateral Guilherme Arana para o Sevilla está adormecida, e promete um 2018 com menos dívida e mais dinheiro para buscar quatro ou cinco reforços.

– Acredito eu que com quatro, cinco atletas a gente faça esse elenco ficar mais forte do que já é.

Veja alguns dos trechos da entrevista:

 
 
 
Presidente do Corinthians diz que ano ruim em 2016 motivou jogadores para este ano

Presidente do Corinthians diz que ano ruim em 2016 motivou jogadores para este ano

TÍTULO MAIS DIFÍCIL

Nenhum dos outros títulos que ganhamos foi fácil. Todos eles tiveram o seu complicador. Mas este aqui eu acredito também pela desconfiança de todos. O ano de 2016 não foi um ano tão favorável que tivemos. Não conseguimos classificação para a Libertadores. Acho que isso despertou em todos essa desconfiança toda. Mas eu gosto de realçar sempre o aspecto ambiente, as pessoas, a dedicação com que todos começaram o ano, se entregando. Começamos conquistando o Campeonato Paulista. E o Campeonato Brasileiro todos sabem da dificuldade que é você manter uma regularidade e conquistar o título. Foi o que até aconteceu conosco. Então eu posso até concordar com o Cássio que pelas desconfianças foi bem difícil a gente superar tudo isso.

 

“QUARTA FORÇA” MOTIVOU

Não vou chegar a dizer uma ofensa, a opinião da maioria era essa. Mas isso mexe com o brio das pessoas. Todos aqui são profissionais dedicados, trabalham, tem uma camisa fortíssima, que é a do Corinthians. Então você ser colocado em prova acaba mexendo com os brios. Foi o que aconteceu. Começamos um Campeonato Paulista, perdemos para a Ferroviária, o Santo André. Veio o clássico contra o Palmeiras em que nós fizemos um grande jogo, vencemos. Acho que aí foi uma grande largada para a gente conquistar o Campeonato Paulista. Repito: a união do grupo em torno dessa chamada quarta força ajudou bastante.

MAIS DINHEIRO E REFORÇOS

Menos dívida. Com mais dinheiro porque a gente nunca trabalhou com sobra de caixa, não é agora que vai trabalhar. Mas com menos compromissos a pagar do que a gente tinha antes. Muito menos. Isso nos dá um pouco mais de folga para poder trazer alguns outros jogadore. Até porque o elenco do Corinthians não carece de formar um time inteiro. Acredito eu que com quatro, cinco atletas a gente faça esse elenco ficar mais forte do que já é.

GUILHERME ARANA

Se a gente for falar pelo dia de hoje, a gente não tem nenhuma negociação. Nenhuma oferta a nenhum jogador. O Guilherme Arana nós conversamos no mês passado e ficou meio que adormecido. Pode voltar? Pode voltar. Mas por enquanto hoje não tem nada em andamento. Então não sei te responder.

 
 
 
 
 
Presidente do Corinthians diz que não há como diminuir preço dos ingressos da Arena

Presidente do Corinthians diz que não há como diminuir preço dos ingressos da Arena

 

PRESSÃO POLÍTICA

Você tem pressão de todos os lados. Pressão da torcida, pressão da política de dentro do clube, pressão da imprensa, sempre nos cobrando para ter um futebol melhor. Faz parte. Agora, o positivo disso tudo, o que aconteceu comigo, o pedido de impeachment por parte de alguns conselheiros, eu, em nenhum momento, transferi esse problema que aconteceu comigo para dentro do futebol, muito pelo contrário. Nunca trouxe problema nenhum meu para o futebol. O futebol eu sempre tratei de forma isolada. Blindamos o futebol. Segurei praticamente sozinho toda a pressão que sofri por conta desse impeachment absurdo. Tentaram dar um golpe político, essa que é a verdade. O papel de uma diretoria é formar o ambiente o melhor possível. Sempre fiz isso nos sete anos que estou no futebol, sempre foi o meu papel. Nunca tivemos problema nenhum pessoal de atleta, indisciplina.

DECISÃO DE MANTER CARILLE

Não foi nem em janeiro, foi no término do campeonato de 2016, no fim da temporada, que nós decidimos e optamos pela saída do Oswaldo. Nós já tínhamos pensado nisso anterioramente, só que estávamos num momento muito delicado como equipe, participando da Copa do Brasil, que o Carille fez o primeiro jogo, contra o Cruzeiro, depois o segundo jogo foi o Oswaldo que fez. E naquele momento entendemos que manter o Carille naquele momento, fim de temporada, seria um risco muito grande. Eu conheço o Carille, sei do seu potencial, da pessoa que é. Talvez se tivesse seguido no futebol naquele momento em 2016, e a gente tier saído da Copa do Brasil como aconteceu, a pressão não conseguiria manter o Carille como fizemos. Então planejamos para que o em janeiro o Carille pegasse o time no início da temporada e desse sequência ao seu trabalho. Graças a Deus, fomos felizes.

INGRESSOS MAIS BARATOS? “NÃO TEM COMO”

 

Talvez a maioria das pessoas, não estou afirmando, que lá estavam naquele sábado, no treino, na véspera do jogo com o Palmeiras (32 mil compareceram), talvez a grande maioria não tem nem acesso ao estádio. Para muitos, quando a gente abre o treino, é uma oportunidade de conhecerem o estádio. A maioria não tem como. O futebol a gente pode fazer o preço que for. Só que já estamos com uma grande dificuldade em cumprir os nossos compromissos com a Arena, para saldar as contas junto ao banco. Não tem como a gente mexer no valor do ingresso. Não existe. Os valores da maioria dos espaços onde faz o volume de pessoas já está numa condição boa (pouco menos de R$ 60 o preço médio). E tem um desconto. Apesar de o ingresso ter a face dele de R$ 40, o Fiel Torcedor ainda tem um desconto em cima disso que a gente proporciona. Então, o valor fica menor ainda. A gente tem que tomar cuidado. Futebol está muito caro. Sei que as pessoas não têm condições, infelizmente gostaria de poder colocar a R$ 10 o ingresso, mas a gente não consegue fazer isso.

APOIO DA TORCIDA

Falando daquele treino (perto do jogo contra o Palmeiras), pedi para que fosse aberto porque entendia eu que naquele momento nós precisávamos ter aquele apoio fora do normal, que é comum a nosso torcedor em momentos adversos. Podemos dizer que era um momento delicado, apesar de estarmos na frente na tabela. Mas era um momento delicado. Emocionalmente, talvez se perdêssemos aquela partida para o Palmeiras, a gente não ia conseguir se segurar na frente porque o emocional desse lado baixaria e do outro lado elevaria o máximo. Então acho que foi bem prudente e bem feliz por isso. Acho que a torcida do Corinthians é o membro do futebol que está de parabéns mais uma vez. O que eles fizeram este ano é fora de série.

 
 

facebook
twitter
Whatsapp



//Comentários